O SIGNIFICADO MÍSTICO DAS VELAS

E a luz brilha nas trevas, mas as trevas não a apreenderam – Evangelho de São João.


É preciso mergulhar profundamente na escuridão para assim compreender melhor o significado místico das velas. A sombra e a luminosidade rejeitam-se mutuamente, embora se complementem, ao mesmo tempo, considerando que as luzes natural e sobrenatural combatem – e sobrepõem – tanto as trevas dos ambientes quanto as trevas da ignorância e do pecado. Se o combate é necessário, sem dúvida, a existência dos opostos também se mostra necessária. Recordo-me haver observado a figura que representa a carta O Eremita, em dada circunstância, e tendo-o feito cuidadosamente, notei que ao carregar o candeeiro na mão, o personagem ali representado conjugava, num só tempo, o lume da fé ou do conhecimento e a escuridão do caminho percorrido. Ele precisa da claridade porque lhe é exigido atravessar a escuridão e, sendo assim, um elemento depende do outro. Há nisso a síntese da condição dos seres humanos que, atravessando o vale obscuro desta realidade, utilizam a luz da fé como instrumento para dissipar as sombras, e que essa síntese represente a essência do cristianismo fica também suficientemente comprovado pelas práticas piedosas das tradicionais procissões com velas.

Provavelmente muitos atribuirão a essa forma de piedade características não exatamente louváveis. Pensarão que se trata de um vestígio persistente de certo passado no qual, se julga, a Igreja esteve imersa na ignorância. Algo que se deve tolerar, sem incentivos, como hábitos de pessoas simples, desprovidas de instrução humanística e teológica. Não obstante, esse menosprezo devotado ao uso das velas parece-me presunçoso. Pois há na simbologia dos lumes bentos verdadeiramente algumas virtudes que se revelam bem úteis para a meditação.

É imprescindível saber distinguir entre o escuro que nos confunde, induzindo-nos aos enganos e ao pecado, e aquele outro que nos põe no centro de uma relação mais íntima e absoluta com o Senhor. A luz bruxuleante das velas significa, no caso primeiro, o esforço heroico de resistir às trevas circundantes. De fato, a escuridão que nos tenciona envolver cabalmente parece, inúmeras vezes, mais ampla e poderosa do que o lume da fé, e é possível que tenhamos receio de que, em algum momento, ela se sobreponha, apagando o brilho de nossa crença. Mas embora a fé vacile ocasionalmente em meio a uma realidade sombria, conquanto não crie mais do que um círculo tímido de luminosidade, é assim realmente, na pequenez da sua condição, que conseguirá vencer o contraste exterior. Porém, se na questão primária o escuro perturba e constrange, em outro nível mais profundo de relação – pouco antes mencionado – ele se transforma em um abrigo no qual o fiel se recolhe tencionando desvencilhar-se de todas as distrações mundanas. A noite escura de São João da Cruz caracteriza isso perfeitamente. Busca-se recobrir os sentidos com o véu da abstinência, não para que, com esse expediente, a escuridão confunda e desvie o indivíduo, mas para que o brilho duvidoso das coisas relativas ao mundo não se ocupe de ofuscar a chama divina que alimenta a alma daquele que acredita.

O calor emanado pela chama da candeia conserva também um significado espiritual. As angústias, os maus hábitos, os pecados, as mágoas, etc., criam dentro de nós uma espécie de crosta duríssima que pode somente ser dissolvida pelo fogo purificador de Deus. O ato de acender uma vela demonstra, em sua piedade, muitas características relativas à experiência da purgação. Na medida em que a chama vai consumindo toda a cera, o corpo da vela dissolve-se, sutilizando-se em fumaça ligeira. De forma semelhante, quando nós somos abrasados pelo fogo do Espírito Santo, tudo aquilo que se enrijeceu no coração paulatinamente se dilui, e tornamo-nos mais próximos da realidade espiritual do Senhor. Sendo assim, quando Jesus Cristo afirma a seus discípulos vós sois a luz do mundo, isto representa um convite para iluminarmos as trevas desta realidade material com nossa presença, entretanto, essa condição que tanto se assemelha ao simples gesto de acender uma vela não sucederá a menos que, livremente, sob nós permitamos a ação do Espírito abrasador de Deus. É imprescindível purificar-se para ser luz, e é preciso ser luz para dissipar as sombras da maldade. 

29 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Site do Autor

Publicações independentes

Assine a newsletter e receba atualizações em seu email

Mais Informações

Os livros são enviados pelo serviço dos correios dentro do prazo informado no momento da compra.

O cliente receberá no email o código de rastreamento para acompanhar a entrega do pedido.

A entrega do produto é de total responsabilidade dos Correios.

Em caso de dúvida, acesse Contato e envie uma mensagem.

© 2019 by Gabriel Viviani de Sousa - Todos os direitos reservados

  • LinkedIn - Black Circle
  • Preto Ícone YouTube
  • Black Facebook Icon
  • Black Twitter Icon
  • Black Instagram Icon
0